Apostas e expectativas com desconfiança

informa-quem-quer-ser-milionario-case

Quem quer ser um milionário?

Desde o início do século passado o historiador holandês, Johan Hiuzinga, em seu livro Homo ludens, mostrou que o jogo esteve incorporado à cultura humana desde os primórdios da civilização.

Mas não é preciso ir tão longe, o hábito de jogar é fácil de ser constatado, seja no atual boom dos jogos eletrônicos, que as crianças (e adultos também) cultuam com paixão em todo o mundo, seja entre as pessoas em qualquer de nossas esquinas, em “lotéricas” ou fazendo fé com os “apontadores do bicho”. O curioso é que todos que jogam, sem exceções, querem ganhar, e ninguém se conforma em perder, sempre em busca da nova chance de se tornar milionário.

No caso do jogo pesquisado em 2014, estudamos o perfil socioeconômico, as razões profundas que hierarquizam preferências pelos tipos de jogos, a motivação frequente/impulso e hábitos arraigados, motivos para compra e abandono; mas nada disso foi determinante para as conclusões, por tratar-se de um jogo instantâneo.

Os apostadores mostram-se pragmáticos. Por isso, a principal recomendação foi pela necessidade de maior divulgação dos prêmios e premiados como o mais importante fator para melhorar a credibilidade junto ao seu público-alvo, pois com ela há chance de ganhar com maior frequência do que em outros jogos.

Atualmente, o crescimento dos produtos não só demanda expandir a base de consumidores, como também fazer com que aqueles que compraram continuem a adquiri-los, ou seja, torná-los mais leais.